Fics

Love is not a feeling... It's strength.
Domingo, 28 de Dezembro de 2008

One-shot - A Manhã em que Anoitece - 1ª parte

Hallo=)

Obrigada pelos comentários, e espero que continuem assim pleaaassseee :D

Não escrevia one-shot's à seculos, e hoje vi a Pocahontas e lembrei-me disto xD muito estupido, eu sei... porque não tem quase nada  a ver xD.

Anyway... isto teria uma segunda parte, mas vocês é que me dizem se querem ou não ok? Digam-me nos coments please.

Beijinho@

 

 

A Manhã em que Anoitece
 
 
        Pensava que podia ter tudo, que ninguém me iria impedir de nada, pensava que era livre de amar e viver. Como me enganei.
 
        Percorri a rua completamente deserta, enquanto o sol ainda não tinha nascido. O escuro apoderava-se, junto com a humidade e o frio nocturno. Sentia o peito gelar, não sei se devido ao frio ou ao simples facto de o meu coração reter um enorme buraco, que á medida que as horas, minutos e segundos avançavam, se tornava num perigoso precipício, onde eu inevitavelmente iria cair. Não havia forma de voltar para trás, não havia forma de reter o tempo, e ver o meu anjo, mais uma vez sorrir para mim.
        Neste século cego, onde tudo o que encontram é crime, remetendo-o imediatamente para uma execução na forca. Um século só, sem compaixão ou piedade.
        Pressionei a carta gasta e amachucada contra o peito. As lágrimas queriam cair, mas eu era forte, sempre fora e sempre serei. Fechei os olhos e corri o máximo que conseguia, soltava as pernas com uma rapidez até então desconhecida. Tentando combater o frio, lembrava palavra a palavra, aquela carta que me havia roubado o coração.
 
         Querida Isabella,
                   Relembro cada momento contigo, como se fossem pequenos diamantes, que vejo brilhar no fundo desta escuridão. Quantas vezes desejei que fosse diferente, quantas vezes desejei não o ter feito, não ter perdido a cabeça. Dessa forma ficaria contigo. Dessa forma estaria neste momento a amar-te como mereces.
Isabella. Revejo o teu nome, vezes sem conta na minha mente, e, de cada vez que o prenuncio sinto um frio gélido pela minha coluna, como se se quebrasse a cada segundo, juntamente com a minha alma perdida.
Ao ver aquele amanhecer cada vez mais perto, não perco a coragem, não perco o alento, nem perco muito menos, o amor incondicional que sinto por ti.
Quando aquela corda me rasgar o pescoço, me cortar o ar, quero que saibas que quem vai estar na minha mente és tu, meu amor. Porque mesmo que quisesse, não te consigo afastar do pensamento.
Isabella. Tu, para mim, significas o mundo. És o meu pequeno diamante.
 
Com o maior amor,
Bill Kaulitz
 
 
Sabia a carta de cor, sabia cada letra, cada vírgula e cada ponto. Sabia em que palavras eu parava para respirar, o pouco ar que ainda me restava.
Corria tão rápido, tão velozmente, que superava a minha própria resistência. Inspirava o ar frio da noite, mas nem por sombras iria parar.
As lágrimas presas no meu olhar vazio misturavam-se com o ar húmido e levantei o meu longo vestido para poder soltar melhor as pernas.
Chegando a um portão enferrujado empurrei-o sem parar e bati freneticamente à porta.
        - Deixe-me entrar! – Gritei, encostando todo o meu corpo à porta metálica fria.
        Rapidamente apareceu um guarda, com os olhos negros de olheiras e as mãos gastas das grades cruéis.
        - Porque haveria de a deixar entrar menina? – Falava pausadamente.
        - Preciso de ver os olhos do homem que pretendia matar o meu pai. – A minha voz, falhava a cada segundo, com o peso do cansaço.
        - O seu pai?
        - Conde Lavort.
        - Menina Isabella Lavort?
        Assenti com a cabeça e empurrei a porta olhando-o nos olhos, que demonstravam a sua permissão. Ele seguiu rapidamente à minha frente, levando-me a uma cela macilenta, onde reinava um odor intragável, e o escuro escondia as faces perfeitas do meu anjo, que se encontrava de costas para mim.
        - Posso? – Sussurrei ao guarda, enquanto segurava a fechadura.
        Ele fez o favor de me abrir, e desaparecer naquele profundo corredor.
        Segui em pequenos passos, agarrando a sua mão, que se encontrava pendurada ao longo do seu corpo.
        - Até parece que sinto o seu toque. – Disse a sua voz fraca, olhando o tecto.
        - Bill, eu estou aqui meu amor.
        Vi a sua face voltada para mim, e foi aí que as lágrimas cederam, foi nessa altura, ao ver os seus olhos negros, praguejados de lágrimas, de dor, de sofrimento e arrependimento, que os meus olhos se derreteram milhares de gotículas. Estava tão magro, com um ar tão sofrido, que fazia o meu próprio corpo contorcer-se de dor.
        - Isabella… – soou a sua voz melodiosa.
 

 


publicado por Marii R. às 16:10

link do post | favorita-me

De Ritiik a 28 de Dezembro de 2008 às 16:32
Gallo!
Tao lindo *w*
Aiii o Bill *-*
Eu tou a ficar com uma dependencia do Bill e depois a ler coisas com ele ainda mais fico --.
Aii eu nao posso trair o meu Tomiboy nao posso nao posso *rita chora*
Okay --.
Anyway
Beijao@


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Anteriormente

Feliz Natal

Psychiatrist Me #2

Psychiatrist Me #1

Assusta-me

Arquivo