Fics

Love is not a feeling... It's strength.
Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

One-shot - Futuro Quebrado

Hallo!

Várias coisinhas a dizer:

Tirei a chatbox porque tava farta daquilo e estragava o ambiente fofinho e preto do blog xP Se quiserem falar comigo deixo o meu mail (marianaesparguete@hotmail.com), mais alguma coisinha é so pedir.

 

O clube Anti-Robert foi formado, num acto de estupidez pura xD anyway... se quiserem aderir digam que eu meto lá os vossos nomezinhos xD.

 

Peço desculpa por uns dias não postar, mas isto anda mesmo difícil, porque eu nao tenho apenas este blog para actualizar =X. O outro é de noticias e dá trabalho a manter apesar de sermos 6 administradoras.

 

Esta one-shot é diferente, escrita de maneira diferente e o tema é a girar à volta da namorada do Tom, o Tom não entra directamente na one-shot. Passo a explicar porque: este texto foi escrito para a minha irmã(Mary17) porque ela tinha de fazer um texto para portugues e fui eu que o fiz, tornando-o numa one-shot. A frase que dava o tema ao texto era: "a minha alma era como um espelho". Por isso, a one-shot devem-na a ela x) xD.

 

Se leram isto tudo...parabéns!

Aqui fica a one-shot:

küss

 

 

 

Futuro quebrado
 
 
            O mundo propõe-nos todo o tipo de desafios. Desafios esses que nos tornam vivos, que nos tornam capazes de vencer tudo e todos, que nos tornam amados, que nos tornam heróis ao primeiro olhar.
        Contudo, nem todas essas provocações do mundo são aceites. O medo apodera-se de nós, a cobardia fala mais alto e único som que ecoa na nossa cabeça é um batimento cardíaco irregular e assustado.
        O mundo propõe desafios nocivos ao nosso estado de saúde, e nós consideramos esses os mais perigosos.
        É um erro comum que acaba por nos tornar débeis. A fraqueza da nossa mente determina o resto das nossas vidas, e os desafios que nos irão magoar bem fundo no coração, são os mais assustadores e arriscados.
        Olhei para a banheira, a transbordar de água e inspirei bem fundo, entrei pé ante pé e mergulhei na água morna. Vim à superfície , sentindo o vapor quente a roçar no meu rosto.
        Voltei o olhar para a barriga e sorri, o que me estava a acontecer não podia ser mais correcto. Passei a mão por ela, e senti um pontapé leve. Estava a dar sinal de que estava presente, e eu tinha a certeza de que iria estar, para sempre.
        Imaginei todos os momentos que iríamos ter os três. O meu sorriso brilhante era inevitável.
        De repente senti uma dor cortante, levantei-me, fui até ao quarto e vesti-me. Chamei um táxi e segui para o hospital. As dores eram cada vez mais fortes, já tinha provavelmente entrado em trabalho de parto.
        Ao entrar no hospital, as enfermeiras reconheceram-me de imediato.
- Menina Laura, o que se passa? – Perguntou uma enfermeira baixa, já com alguma idade.
- É o bebé, acho que vai nascer.
- Ah! Que bom! Vamos já tratar de meter esse menino no mundo! Quer que chame a sua mãe?
        Assenti com a cabeça e seguimos até ao local de nascimento. Cada técnico, enfermeiro, médico e funcionário que passava por mim cumprimentava-me gentilmente. É o preço de se crescer, como filha da directora do hospital.
- Laura… porque é que não telefonou? – Perguntou, fixando o olhar mortífero sobre a enfermeira, com o objectivo de nos deixar a sós.
- Não tive tempo mãe.
- Onde está o seu… aquele rapaz? – A sua voz era seca, demonstrando a antipatia que sentia por ele em cada palavra.
- O Tom… tenho de lhe telefonar.
- Quando é que percebe que esse rapaz não é para si? Já lhe disse que com gente daquela o necessário é a distância!
- Não vamos continuar com esta conversa, o Tom é… – fui interrompida por uma forte contracção. Gemi.
        Vi uma enfermeira entrar com um olhar carregado e preocupado.
- Menina Laura, telefonaram da esquadra…
- Da esquadra? – Repeti incrédula.
        A expressão da minha mãe tornou-se orgulhosa, como se previsse o que estava para acontecer.
- O seu namorado, Tom. Foi preso por posse de drogas. – Continuou a enfermeira.
- Drogas?! Impossível, o Tom nunca…
- Filha, eu já a tenho avisado tanto, a menina nunca acreditou…
        A minha face tornava-se escarlate e as gotas de suor escorriam abundantemente.
- Ele vai ter julgamento não vai? Ele nunca se iria meter nessas coisas…
- Disseram que as provas eram bastante conclusivas. – Respondeu a minha mãe, com uma expressão triunfal.
        As contracções tornavam-se mais fortes, médicos aproximaram-se de mim, eu gritava de dor, tinha rejeitado a epidural. Tudo me fazia lembrar a palavra drogas e eu tentava afastar-me o máximo desta recordação.
- Como é que a mãe sabia?! – Perguntei entre contracções e gemidos.
- Eu já tinha falado antes com a polícia, parece que ele vai ficar dentro durante uns tempos. Sinto muito Laura.
- Não! Não sente!
        A hora seguinte foi agoniante, lágrimas de dor interior e exterior escorriam-me pelo rosto. Eu não queria estar ali sem ele.
        A minha alma era como um espelho. Um espelho agora quebrado em mil pedaços, onde em cada um deles eu conseguia ver o passado, o presente e o futuro. Eram como mil versões de mim, que confirmavam a minha fraqueza.
        Duvidei de que fosse capaz de ter este filho, pela dor que iria sentir, sem ele para me amparar, para me apoiar. Gritei por ele, gritei por ajuda e expulsei a minha mãe do quarto. Nada disto podia estar a acontecer agora.
        Quando o meu filho nasceu, o meu choro parecia abafar o dele, sentia-me fraca, perdida.
        Nessa altura não consegui compreender que o pior estava para vir. Que o espelho outrora quebrado iria estar sempre presente na minha mente para me assombrar, não durante os sete anos presentes no ditado, mas sim, durante quase o resto da minha vida. Uma vida vazia, sem o amor da minha vida.
        Apesar de tudo, todos os pequenos cacos espelhados foram recolhidos, e cuidadosamente reparados para o meu filho. Um pequeno ser que iria determinar o significado da minha existência.
       

 



abdominais:
De Mary17 a 19 de Novembro de 2008 às 22:52
Aahaha eu ja tinha lido esta história há montes de tempo xD. Ah e a música fui eu que te mostrei hoje =D


De Biah_th a 19 de Novembro de 2008 às 23:19
O Tom com drogas?
Deus! Assustei-me!
Mas ficou ótima, essa estrofe do final então....adorei!
bjo


De Amy a 20 de Novembro de 2008 às 17:40
ameiii *-*


esta mesmo gira!

küss*


qnd postas a fic? hj?


De Ritiik a 20 de Novembro de 2008 às 18:44
Hallo!
Ta lindooooo
Adorei esta one- shot xD
Beijinho


De Ritiik a 20 de Novembro de 2008 às 19:03
Adicionei te no msn x3


De Ritiik a 20 de Novembro de 2008 às 19:04
Ah! Tb quero fazer parte do clube anti- robert sff xD


De Amy a 20 de Novembro de 2008 às 19:46
voces sao irmas e têm o mesmo nome o.O

ou é Mary17 de Maria?

xD


De Marii R. a 20 de Novembro de 2008 às 19:53
xD Mary de Maria e eu sou Marii de Mariana x)
Maria e Mariana, eu nasci depois por isso acrescentaram o "na" xD xD
beijinho =)


De Amy a 20 de Novembro de 2008 às 22:02
ahh xD


De rutef_47 a 20 de Novembro de 2008 às 19:57
1. clube anti- robert!!! eu quero participar!!!!!!!!!!!!! lol

2. desculpa... nao vinha ca a seculos mas com as aulas e os testes todas as semanas e mesmo impossivel

3. a fic ta espetacular e tambem adorei a one-shot!!!!

bem acho que ta tudo...

bjs....


De Caroll a 20 de Novembro de 2008 às 21:07
...
...
...
...
...
...
...
(posso tar sem palavras?)
...
...
...
...
...
...
...
...
...
( é que eu axo k n consigo descreber o que achei da one-shot )
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
(Magnifica, linda, perfeita? Acho que nao sao as palavras ideias)
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
( unica? hum tambem nao )
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
( e Se inventar uma? )
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
( magnifeita? credo que horror xD )
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
( bem como nao ha palavras para descrever o que escreves, deixo-te as reticencias xD)
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
(Sao giras nao sao?)
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
( sim tambem axo, ja enjoam -.-')

AMO'TEEEEEEE :')

...
...


De Maria a 20 de Novembro de 2008 às 22:07
Linda, linda, linda!!!!
Amei mesmo muito, muito, muito!!!
As tuas one-shots estão cada vez melhores, a sério!!!
^^
Eu também quero fazer parte do clube Anti-Robert!!!
Odeio-o tanto...aiiiiiiiiiiiiiiiiiii...
^^
Kiss muito grandi!!!


Comentar post

Anteriormente

Feliz Natal

Psychiatrist Me #2

Psychiatrist Me #1

Assusta-me

Arquivo