Fics

online
Love is not a feeling... It's strength.
Terça-feira, 20 de Abril de 2010

12º Capítulo - Promessa

Olá olá =)

Ainda bem que estão felizes por os capítulos serem maiores. Eu fico um bocado esgaziada a escrever aquilo, não estou habituada xD

A escola ainda agora começou e já estou farta -.- tããão farta, e cansada. Mas vá, hoje pelo menos esteve calor :D

 

 

Beijinhos,

Marii K.

 

XII

 

 

A noite estava quente, ou pelo menos assim lhes parecia. Ambos tinham acabado o cachorro e agora caminhavam apenas, em direcção ao hotel. Tom seguia Alice, pois não fazia a menor das ideias onde se encontrava.

Olhou para Alice e nem queria acreditar que se ia embora. Sentia-se agora como uma criança a deixar o parque de diversões, aproveitava os últimos minutos falando com ela, aproveitando para olhar o seu sorriso e já sabia, que quando a deixasse na porta do seu quarto, teria uma sensação de dormência, como se o seu corpo contasse todos os segundos para voltar para onde estava agora, e ter novas sensações. As suas mãos voltavam a pedir as dela. E por fim, já sem medos agarrou na mão dela.

- Tens frio?

Ela abanou a cabeça. Continuou a andar e em nada notou uma reticência ao facto de estarem assim, juntos e de mãos dadas, com aquele silêncio leve de quem já se conhece internamente.

- Sabes, começou ele… começo a duvidar de ti.

- Porquê? – Perguntou ela.

- Porque me disseste que a tua mãe era muito controladora, e quer dizer, já quase morreste numa aula de condução – Alice interrompeu-o com um riso genuíno – e depois…vens aqui encher-me de cachorros, andas a estas horas na rua, ah! Também foste ao concerto… e eu nunca mais vi a tua mãe

- Pois

- Também andamos a aparecer nas revistas

- Ela é controladora de maneira a me fazer sentir mal pelas minhas acções, só depois é que intervém, e aí…ninguém quer estar ao pé dela – sorriu.

- E sentes-te?

- O quê?

- Sentes-te mal pelas tuas acções?

- Não – disse-lhe enquanto encostava o seu ombro ao braço dele – Nem um bocadinho.

- Oh… - fez ele voz de pena – Assim ela vai intervir, o que vale é que eu já não estou cá – gargalhou.

Alice também se riu, mas depois ficou em silêncio, olhou para baixo. Talvez, ressentida.

- Vais amanhã?

Tom assentiu com a cabeça, arrependido pela forma como tinha dito as coisas. Sentiu-se ridículo por aquelas palavras lhe terem saído assim da boca, sem piedade e em forma de uma piada dolorosa.

- Desculpa – disse.

Alice não respondeu, continuou a andar. Pensou na mãe e na satisfação dela quando olhasse uma revista e visse Tom embarcar num avião para longe, deixando a sua filha indefesa para trás, pronta para ela cuidar. Não era que não gostasse da mãe, todos nós gostamos das nossas mães, por muito mal que elas tenham feito, têm sempre uma chama, nós viemos delas. E Irinna Vaughn nunca tinha feito nada de mal à filha, muito pelo contrário, tudo o que fazia era para o seu bem. Criara uma filha adolescente em ascensão no mundo da fama, sem marido e isso tornara-a assim, como uma combatente, prestes a atirar-se a tudo pelo vitória de fazer a filha singrar e de fazer a filha feliz. Esperando ocupar o lugar do pai e resguardando-a dos perigos da solidão.

Entraram no hotel em silêncio e subiram no elevador, tal como da outra vez, Tom levou-a à porta do quarto. Olharam-se nos olhos. E eram como gotas, deixavam ver o outro lado, quando ambos esperavam apenas por mais uns segundos, por mais uns minutos que os pudesse reter. Ninguém se moveu, até Alice se aproximar e o abraçar com força, puxando para si a memória daquele momento, para a deixar morrer no canto da sua mente.

Tom, sentiu-a assim, tão leve. Beijou o seu cabelo e sentiu o seu cheiro que não queria largar. O abraço teria durado anos, se não ouvissem uma porta bater, naquele piso e depois visto uma pessoa desconhecida andar pelo corredor e descer calmamente as escadas de emergência.

Ela olhava-o fixamente, e Tom agarrou na mão dela, beijou-a e depois passou os dedos pelo seu cabelo. Beijou-lhe a testa e virou-lhe costas. Ambos pensaram o mesmo no instante em que viraram costas um ao outro:

“Sabias que não ia durar”

E o elevador subiu, Tom afastou-se dela com relutância, praguejando com a sua mente, porque razão se tinha afeiçoado a Alice. Porque razão não lhe era ela indiferente, para ele poder prosseguir com a sua vida e deixar para trás a memória daqueles escassos dias.

Entrou no quarto e atirou com a porta, despiu o casaco, as camisolas e deixou-as espalhadas. Deitou-se em cima da cama e convenceu-se de que iria esquecer tudo. Que foram apenas dias, escassos momentos e olhares, beijos discretos e risos acasos. Não iria ser mais.

Fechou os olhos.

 

Alice vestiu a camisa de dormir, levantou a roupa pesada da cama do hotel, como tinha pedido, dois edredões e dois cobertores e enfiou-se debaixo dela. Deixou-se assim ficar, de barriga para baixo enquanto tentava esquecer uma saudade estranha que a assombrava. Agarrou a almofada com as unhas e fez tanta força que lhe doeram os dedos. Que espécie de sentimento era aquele? Tinha de se decidir a deixar para trás, porque afinal, como tinha pensado antes, ela sabia que não ia durar. Por isso teria então de se recordar daqueles dias como um mar de saudade onde tinha mergulhado? Sabia que o fundo era uma fossa escura e desconhecida, mas mesmo assim mergulhou. Sentiu-se ridícula, e vulnerável, como se fosse agora uma personagem de um filme a avaliar outra. Mas a outra era ela própria, genuína como nunca fora.

Seria isso agora o passado, decidiu.

tags:

publicado por Marii R. às 18:04

link do post | Comenta e o Tom levanta a camisola | favorita-me
|

abdominais:
De ∞ quinn a 20 de Abril de 2010 às 19:37
Hey :)
Ele não se pode ir embora, não agora .____.
Eles têm de fazer alguma coisinhaa.
Quero mais :DD
Beijinhos.


De ztiluak a 20 de Abril de 2010 às 20:30
Fizeste-me chorar!
Ele nao se pode ir embora sem ela. Nao pode mesmo.

posta mais!
Eu tambem estou farta da escola e cansada


De Tommazinha a 20 de Abril de 2010 às 20:45
Hallo!!!

Ai eu não acredito Mariana...
E agora? Como é que eles vão ficar?
Tadinhos, estiveram este tempo todo junto, criaram laços de amizade (só para não dizer outra coisa xD) e agora o Tom vai se embora!?
Ai, ai! Isto não se faz xD
Diz-me que vai acontecer qualquer que o vai impedir de se ir embora, tem que ser.
Quero maissssss

Já somos 2 a estar fartas da escola. Mas vá, tenta relaxar (o possível) e pensa que só falta 1 mês e meio xD
Bjnho grandeee ;)


De ourfanfiction a 20 de Abril de 2010 às 20:47
Hello Mariii :D eu tambem estou tao fartinhaa! ja nao aguento, mesmo! cada dia parece mais secante que o outro!
Anyways...CAPÍTULO PODREEE! ESTA MESMO...LINDO! eu gosto desta tua nova maneira de nos captar a atenção, com capitulos graaaaandes :P
Oh meu deus, este capitulo fez me quase chorar...a maneira como eles se sentem, e mesmo forte e so se conhecem ha uns dias...gosto tanto da relacao que os une...ele nao se pode MESMO ir embora marii
e os teus paragrafo finais, como sempre, perfeitos! a tua escrita, aim nem sei o que dizer! "or isso teria então de se recordar daqueles dias como um mar de saudade onde tinha mergulhado?-MORRI *_*

POSTA MAIS, SIM LOVIE?

beijinhoo, love youu


De Caty a 20 de Abril de 2010 às 23:19
Olá
Tão amiguinhos um do outro e agora ele vai embora.
Eles têm que se tornar a encontrar.
Era um paparazzi a pessoa que eles viram no hotel?
Bjs


De Melancia a 20 de Abril de 2010 às 23:36
Olaaa! Ohh este capitulo esta lindooo, e acima de tudo, realista. É quase possivel sentir a saudade que os consome, e isto porque esta muito bem descrito. O vazio que sentiram assim que se separaram é mais que compreensivel, mas o que mais gostei foi o modo como interligaste esse vazio ao sentimento que os une; porque na realidade foi e é atraves desse vazio ou dessa saudade que eles conseguiram reconhecer que algo no seu interior estava diferente. Ambos reconheceram que o outro não lhes é indiferente. Amei Marii :)

kuss


De Caroll a 22 de Abril de 2010 às 21:57
Epah, beijo na testa? A sério?
Ca cortes, Tommy xD

Eu nao quero que ele vá já embora T_T
Proximo :)

Amo-te.


De Maria a 9 de Maio de 2010 às 13:33
Olá querida! :)
Estou muito triste por ele ir embora e por se separarem! Passaram uns óptimos dias juntos e começaram a gostar um do outro e agora vão se separar! :'(
Mas eles irão voltar a estar juntos, tenho a certeza!
Beijinhos grandes, dear!


Comentar post

Song.

One Republic - Secrets

Download this Mp3 @ Booster MP3

Anteriormente

Feliz Natal

Psychiatrist Me #2

Psychiatrist Me #1

Assusta-me

Arquivo

Votação

Queres a proxima fic baseada na musica:
Alien
World Behind My Wall
That Day
Phantomrider
Attention
Zoom Into Me
In Your Shadow (I Can Shine)
  
pollcode.com free polls
online